3.12.09

G@briela.

Gavião é bicho sem fronteira, pairando sobre a mata fechada, à espreita sem remorso, do alto onde tudo vê e onde todos o vêem. Meu amor por você é feito bicho de rapinagem, que estremece como se fôra antanhos, e eu fosse o nascido do mundo, nomeando ruminantes e plantas carnívoras por primeira vez.

A cada nova descoberta, aceleraria em mim o desejo de chegar ao final do enredo, de descobrir a chave de tudo, de esconder entre suas demências e tremores, meu amor voluptuoso. Pois é como tomar a criança nos braços e descortinar o mundo de novidades a quem largava-se ao sono dos viventes, hibernando nos trópicos - sem saber que delirantes aventureiros, em tempos remotos, lançaram mãos de eldorados lendários, em vãs jornadas mato adentro.

Agora é tudo seu, agora é tudo nosso - eu só pra você/ você só pra mim.

O resto é o amor em paz.

5 comentários:

Rafael disse...

Você escreve demais...
Muito bom seus textos (apesar de eu ser ignorante e não conseguir extrair tudo o que você escreve)...
E desculpe a grosseria no outro post, achei que você não aceitasse comentários. ^^

martin montenegro disse...

Bobagem. Grosseria nenhuma. Mas escreva sem temer, escreva como quem desce o machado na árvore que já não dá frutos: convicto. Tenha fé: o futuro é nosso. Se não avançarmos com confiança, farão por nós (e teremos que engolir o que nos derem).

Eu aceitarei todos os comentários que suscitem debate, que gostem ou não do que escrevo, e dos quais eu goste ou não igualmente.

Por último: não se preocupe em entender tudo. Nem eu mesmo, passados alguns dias, me lembro o que gerou algumas das frases. É tudo improviso, escrevo como o fluxo de idéias me vem à cabeça; é como um sonho doido, entrecortado, sem nexo ou lógica normal. Me interessa a metáfora, a poesia de encaixar idéias inusitadas, originais. Me interessa experimentar a língua.

Tente você também - e me mande o link, que eu vou lá comentar. Uma dica: treine com constância, leia sempre, não seja complacente com suas dificuldades. Seja seu pior crítico - e tudo o mais será fácil.

Boa sorte.

Rafael disse...

Eu infelizmente não tenho blog... Gosto de escrever as vezes, mas são coisas bem simplórias...
Há algum tempo que estou tentando decifrar suas metáforas, acho muito legal o jeito que as escreve. E também algo que me deixou curioso é o título dos seus textos, alguns são nomes e tals... Esses nomes ou pessoas são fontes de inspiração para o que você escreve, ou esses nomes são aleatórios?

martin montenegro disse...

Essas pessoas são reais. Seus nomes são reais. A interpretação da realidade é toda minha - onírica, aleatória, escolhendo algum detalhe irrelevante ou inventando desavergonhadamente minhas próprias impressões.

Afinal, o que é a memória senão a reinvenção da realidade? E se não existe regra que nos oriente nesse reinventar - se muito ou se pouco - por que não dar vazão à imaginação livre, poética e desenfreada?

Onde mais uso disto: nos meus primeiros posts, assim chamados "Improváveis Efemérides". São situações que, não fosse o fantástico à espreita em cada esquina, poderiam muito bem ter acontecido - nesse mundo em que quase nada mais parece impossível. Onde mora o sonho? O pesadelo? Onde termina a realidade? De que temos certeza?

Só o sonho é real. Veja o filme "Waking Life". Vai te dizer mais sobre isso.

Gláucia Carvalho disse...

Espetáculo... Ainda bem que achei novamente.
Este nome para um blog é tão improvável. Como você! ;-)

Minha foto
SAO, SP, Brazil
...just someone playing hard.